Padilha ignora críticas de ACM

O ministro dos Transportes Eliseu Padilha disse que não tomou para si as críticas feitas pelo ex-senador Antônio Carlos Magalhães. Em seu discurso de renúncia, ACM havia dito que "as estradas estão péssimas no País", além de acusar o ministro de alterar a ordem do pagamento das precatórias do DNER. "Sobre as estradas, nós bem sabemos que elas não estão em seu perfeito estado de conservação e o ministério está empenhado em investir em melhorias. Quanto ao DNER, é uma autarquia completamente independente pela qual não posso responder. Portanto, as críticas não foram dirigidas a mim", disse. Padilha, que é do PMDB, também comentou a questão da sucessão presidencial. "Não existe qualquer racha dentro do partido com intenções ao apoio do PSDB na sucessão", afirmou. "Já está certo que o PMDB terá um candidato próprio e isso não se discute, mas nem todos no partido apóiam o Itamar (Franco, governador de Minas), que pode ser o nome mais forte, mas não tem tradição na legenda", disse.O ministro enumerou ainda os nomes de Orestes Quércia, Pedro Simon, José Sarney, Jarbas Vasconcelos e Michel Temer para disputarem a convenção do PMDB. "Particularmente, eu sou Pedro Simon", afirmou o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.