Padilha exige apresentação de provas contra Erenice

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, voltou a minimizar as denúncias de tráfico de influência contra a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra, justificando que as provas devem ser apresentadas. Ressalvou, no entanto, que "o governo não vai descansar enquanto a verdade inteira não vier à tona".

TÂNIA MONTEIRO, ENVIADA ESPECIAL, Agência Estado

21 de setembro de 2010 | 16h08

"Nós queremos saber se quem denunciou tem provas, quais são as provas e se tiver havido irregularidades, queremos saber qual é a irregularidade", disse. Padilha acrescentou que "quem tiver cometido irregularidade será punido".

O ministro acompanhou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cerimônia de visita, em Talismã (TO), à fábrica de dormentes que abastece a Ferrovia Norte-Sul e andou de locomotiva ao lado dele durante um trecho de 14 quilômetros na divisa de Goiás com Tocantins. O presidente Lula não quis falar com a imprensa sobre as denúncias.

Depois de chegar à divisa dos dois Estados, Lula seguiu para Porto Nacional, em Tocantins, para inaugurar um trecho da ferrovia, que liga o Pátio Multimodal de Colinas do Tocantins ao Pátio Multimodal de Palmas/Porto Nacional, além da entrega para exploração comercial dos Pátios Multimodais de Palmas/Porto Nacional e o de Guaraí/Tupirama. Lula retorna a Brasília ainda na noite de hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.