Padilha evita avaliar se IPTU afetará campanha petista

O ministro da Saúde e provável candidato do PT ao governo do Estado de São Paulo, Alexandre Padilha, minimizou neste domingo (10) os possíveis efeitos negativos que o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) poderá causar na campanha do PT para as eleições em São Paulo em 2014.

PEDRO VENCESLAU, Agência Estado

10 de novembro de 2013 | 11h05

"Deixem o Haddad trabalhar em Paz", disse Padilha nesta manhã, enquanto acompanhava o ex-prefeito de Osasco Emídio Souza durante a votação no Processo de Eleição Direta (PT), o qual elegerá a nova direção do PT nos diretórios municipal, estadual e nacional.

Já o ex-prefeito de Osasco avaliou que "aumento de imposto é sempre usado contra". Emídio deve ser eleito neste domingo presidente do PT-SP e poderá ser o coordenador da campanha petista no Estado.

Questionado sobre a ausência do deputado federal João Paulo Cunha, condenado no julgamento do mensalão, nas chapas que concorrem às eleições internas do PT, Padilha contemporizou. "O PT vive um processo de renovação permanente. E a renovação será a grande marca desta eleição", argumentou.

Segundo Padilha, o PT vai procurar todos os partidos da base de apoio da presidente Dilma Rousseff para montar a coligação do PT na disputa do governo estadual em 2014. Em relação ao cenário paulista, disse que "o povo de São Paulo sente um certo cansaço do PSDB".

Tudo o que sabemos sobre:
ptpedpadilhaiptu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.