Padilha afirma que Dilma não definiu prazos para formar ministérios

'A tradição dos presidentes eleitos é definir ministério até 23 de dezembro. Mas a Dilma não estabeleceu prazo nem para começar nem para concluir', disse o ministro

Carol Pires, do estadão.com.br

09 de novembro de 2010 | 18h18

BRASÍLIA - O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse nesta terça-feira, 9, que a presidente eleita Dilma Rousseff (PT) não estabeleceu prazo "nem para começar, nem para concluir" a escolha da nova equipe de ministros.

 

"A tradição dos presidentes eleitos é definir ministério até 23 de dezembro. Mas a Dilma não estabeleceu prazo nem para começar nem para concluir", afirmou o ministro, que está hoje no Congresso Nacional conversando com lideranças sobre a pauta de votação da Câmara e do Senado até o final do ano.

 

Padilha disse ainda que o presidente deixou claro aos ministros em exercício que nenhum deles é dono da pasta que ocupa atualmente.

 

"Quem vai decidi o governo, ministério é a presidente eleita. O que todo mundo tem que saber é: o baralho mudou de mãos. Acabou uma rodada, agora o baralho está na mão da presidente eleita, está misturando as cartas, nenhum ministro e nenhum partido é dono do ministério que ocupa", completou Padilha.

 

De acordo com o ministro, Dilma formará uma equipe com a cara dela. "A presidente tem seu tempo. Mulheres, de forma muito especial, têm seu tempo, são mais cuidadosas. O tempo é dela, da presidente eleita", ponderou.

 

Lula

 

Padilha disse ainda que o presidente Lula conversará com a presidente eleita Dilma Rousseff sobre as vagas em aberto na Esplanada, antes de fazer qualquer indicação. Uma dessas vagas é a de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), aberta desde a aposentadoria de Eros Grau, em agosto.

 

"Todas as iniciativas que tenham impacto no próximo governo, ele [Lula] vai conversar com a presidente eleita, seja sobre o STF, sobre as agências reguladoras [que tem cargos vagos]".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.