Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Padilha adota tom conservador ao falar sobre prestação de contas na internet

SÃO PAULO - O candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, disse nesta terça-feira, 19, ser a favor da transparência total das contas públicas, mas, quando questionado se apoia a divulgação em tempo real na internet dos gastos de campanha, o petista afirmou que vai seguir a legislação eleitoral. Perguntado se informaria o quanto já gastou efetivamente, Padilha disse que vai esperar a data fixada pela lei eleitoral. "Tem o momento da prestação de contas e vamos cumprir exatamente o que a lei estabelece", disse Padilha, durante visita à região da Cracolândia, no centro de São Paulo.

VALMAR HUPSEL FILHO E CARLA ARAÚJO, Estadão Conteúdo

19 de agosto de 2014 | 16h50

Padilha defendeu o cumprimento do que a lei exige hoje ao lado do candidato petista à reeleição no Senado, Eduardo Suplicy, que divulga os gastos de sua campanha na internet. "Eu sou a favor da transparência total", afirmou Suplicy. A lei exige que o candidato apresente três prestações de contas, uma até o dia 2 de agosto, a segunda até 2 de setembro e a final, até o dia 4 ou 25 de setembro, se o candidato for para o segundo turno.

Na primeira prestação de contas, Padilha declarou uma arrecadação de R$ 188 mil, um valor significativamente menor do que arrecadou a campanha petista ao governo de São Paulo em 2010. No mesmo período, o então candidato Aloizio Mercadante havia conseguido pouco mais de R$ 1 milhão, em valores atualizados. Padilha minimizou a falta de recursos. "Nossa campanha aposta mais na militância do que na arrecadação", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.