Pacientes com câncer de laringe têm mais chances de contrair pneumonia

Lesões na garganta criam ambiente favorável para que bactérias e vírus se alojem no pulmão

Bruno Lupion, do estadão.com.br, e Daiene Cardoso, da Agência Estado,

05 de março de 2012 | 18h37

SÃO PAULO - Pessoas em tratamento de câncer de laringe ou de pulmão têm maior chance de contrair pneumonia, se ainda apresentarem lesões ativas nessas áreas. A avaliação é da coordenadora da oncologia clínica do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, Pilar Esteves Diz. Segundo ela, essas lesões podem elevar a produção de secreção ou impedir a saída de fluídos naturais do pulmão, criando um ambiente favorável para que bactérias e vírus oportunistas se alojem no sistema respiratório.

Outro fator que contribui para a incidência de pneumonia em pacientes com câncer de laringe são as lesões próximas à garganta que dificultam o ato de engolir. “Nesses casos, pode haver aspiração de saliva e isso favorece a pneumonia”, explica Pilar. Desde o início do tratamento, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem tido dificuldade para se alimentar e vem se submetendo a uma dieta baseada em comidas pastosas.

Segundo ela, o tratamento depende das condições imunológicas do paciente – que só a contagem de glóbulos brancos pode revelar -, da sua faixa etária, das condições respiratórias e da extensão e tipo de pneumonia, que pode ser causada por bactéria, vírus ou fungo. Porém, nem sempre os exames conseguem identificar o agente causador da pneumonia e é comum que quadros virais evoluam para bacterianos se não forem tratados com rapidez, segundo a médica.

Tratamento de Lula vai durar 14 dias

O oncologista Artur Katz, que integra a equipe que cuida de Lula, informou nesta segunda-feira, 5, que o tratamento contra a pneumonia do ex-presidente deve durar até duas semanas, o que não significa que o ex-presidente terá de permanecer internado, ao longo de todo esse período, no Hospital Sírio Libanês, na capital paulista. "Normalmente são de 10 a 14 dias de antibióticos, mas não obrigatoriamente esse período (de tratamento) se dará no hospital. Uma vez consolidada a melhora ele pode tomar os antibióticos em casa."

Lula foi internado no domingo, 4, com febre baixa e com dificuldade para engolir. Segundo o médico, o ex-presidente já se sente melhor e vem respondendo bem ao tratamento. De acordo com Katz, a pneumonia é uma reação considerada natural ao tratamento que provocou a redução da imunidade de Lula, além de queda de peso e de seu ânimo geral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.