Paciência de FHC com PMDB está chegando ao limite

O presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que a paciência dele com o PMDB está chegando "ao limite".A declaração foi feita nesta quarta-feira à noite, numa entrevista para a Rádio CBN Anhangüera.Fernando Henrique cobrou do presidente nacional do PMDB, senador Maguito Vilela (GO), postura política e pessoal em relação ao governo.De acordo com o presidente, não é possível conviver mais com a atual situação, na qual questões meramente regionais interferem diretamente nas decisões nacionais."Eu nunca governei o Brasil com o fígado. Não é meu jeito. Eu não gosto de estar perseguindo um, perseguindo outro. O senador Maguito, que aliás sempre teve relação boa comigo no passado, tem uma rixa forte com o governador Perillo. E vice-versa. Esse é o miolo da questão. De novo, é uma questão do sistema político brasileiro. O miolo da questão é regional", afirmou."E isso acaba afetando aqui o federal, porque aí fica motivado para atacar, me ataca, diz coisas que eu não diria, porque eu acho que a gente deve ser mais ponderado na hora de falar certas coisas. É claro que tem um limite para isso. Ou seja, tem um momento em que você tem que dizer se está para cá ou está para lá", completou o presidente.Ao ser questionado sobre se esse limite estava chegando, Fernando Henrique preferiu não ser taxativo. "É provável", respondeu.Ele disse, no entanto, que ainda tem esperança de que o PMDB continue integrando a base aliada até o término de seu governo. Mas, que se não for assim, não insistirá para que ocorra o contrário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.