Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Pacheco engrossa o coro de Lira e cobra mudança na política externa do governo Bolsonaro

Presidente do Senado, no entanto, disse que cabe ao presidente Jair Bolsonaro decidir se demite chanceler Ernesto Araújo

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2021 | 18h20

BRASÍLIA - Um dia depois de o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), demonstrar insatisfação com a condução da diplomacia brasileira pelo ministro Ernesto Araújo, nesta quinta-feira, 25, foi a vez do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), cobrar publicamente mudanças na área de política externa governo federal. Na avaliação de Pacheco, o País está sendo prejudicado no enfrentamento da covid-19 por "erros" cometidos na gestão de Araújo.

"Muito além da personificação ou exame sobre o trabalho específico do chanceler, o que tem que mudar é a política externa e o Brasil, evidentemente ela precisa ser melhorada e aprimorada", disse. "Isso é algo que está evidenciado a todos, não só ao Congresso Nacional, mas a todos os brasileiros que enxergam essa necessidade do Brasil ter uma representatividade externa melhor do que tem hoje", afirmou.  

Pacheco disse que o depoimento de Ernesto aos senadores na quarta-feira, 24, evidenciou a necessidade de mudança. Na ocasião, o chanceler ouviu pedidos de parlamentares para que renuncie ao cargo. Para Pacheco, cabe ao presidente Jair Bolsonaro decidir por uma eventual troca na pasta. "Esse é o papel do presidente da República, ele haverá de tomar as melhores decisões para melhorar o governo", afirmou.

Entre o que chamou de "muitos erros" cometidos pelo Brasil no combate à pandemia, Pacheco listou o não estabelecimento de relações diplomáticas com países que poderiam colaborar neste momento. "Ainda está em tempo de mudar para poder salvar vidas. Infelizmente, perdemos muitas vidas", disse ele, evitando, no entanto, responsabilizar o governo federal pelas mais de 300 mil mortes registradas até aqui.

Pacheco disse que a mudança na política externa deve priorizar a obtenção de parcerias internacionais. Ele destacou que a Comissão de Relações Exteriores (CRE), presidida pela senadora Kátia Abreu (Progressistas-TO), fez um apelo por ajuda internacional ao País.

"Câmara e Senado buscam de todas as formas ter ambiente de consenso, pacificação e busca de soluções e isso precisa, do outro lado, do governo federal, essa mesma postura e vontade", afirmou o senador.

Como mostrou o Estadão, além da pressão do Congresso, aliados de Ernesto avaliam que o Palácio do Planalto abandonou Ernesto. Na visão desses interlocutores, o chefe da diplomacia bolsonarista acabou exposto de propósito pela base governista na quarta-feira, dia 24, ao dar explicações sobre atrasos na obtenção de vacinas contra a covid-19 no Congresso Nacional.

No dia em que o País ultrapassou 300 mil mortos, o ministro passou 5 horas e 15 minutos exposto a dissabores, provocações, cobranças e bate-bocas no Senado e outras 3 horas e 40 minutos na Câmara. Estava acompanhado apenas do assessor internacional da Presidência, Filipe Martins, e do secretário de Comunicação e Cultura do Itamaraty, embaixador Paulino Franco de Carvalho Neto. 

Ao contrário do que costuma ocorrer nesses casos, porém, a base governista não se mobilizou em defesa de Ernesto, seja para elogiar o trabalho do ministro, seja para introduzir no debate uma agenda positiva do governo, amenizando a saraivada. Essa é uma estratégia comum no parlamento, quando há audiências públicas de ministros. Em geral, o próprio governo mobiliza sua tropa de choque.

Assessor de Bolsonaro

O presidente do Senado anunciou também nesta quinta-feira que a Polícia Legislativa vai investigar o gesto do assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência, Filipe Martins, que fez um gesto controverso com a mão, interpretado como um símbolo de supremacismo branco. Nas redes sociais, Martins disse que apenas arrumava o paletó.

 "Imediatamente determinei à Secretaria Geral da Mesa que colhesse as imagens e as encaminhasse à Polícia Legislativa, para que, através de um procedimento próprio, investigue o fato, materialize a conduta através das provas a serem constituídas, identifique a autoria e avalie a tipicidade penal do fato", afirmou.

"Não podemos ter pré-julgamentos em relação ao fato, mas, verdadeiramente, vendo as imagens, identificamos um gesto completamente inapropriado para o ambiente do Senado. Queremos repudiar todo e qualquer ato que envolva racismo ou discriminação de qualquer natureza e repudiar qualquer tipo de ato obsceno também, caso tenha sido essa a conotação."

Pacheco disse que o Senado "não é lugar de brincadeira", mas de trabalho sério. "Estávamos trabalhando e buscando soluções e informações de um ministério que está muito aquém do desejável para o Brasil."

O presidente do Senado disse que será garantida ampla defesa e contraditório na apuração de fatos contra Martins. "Esse é o tratamento adequado em um Estado Democrático de Direito para um episódio dessa natureza."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.