PAC mostra distorção da edição de MPs, diz Fruet

O deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), que disputa a presidência da Câmara, disse nesta sexta-feira que o anúncio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) mostrou a distorção da edição de medidas provisórias (MPs) pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.O tucano participou de um debate com os adversários Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Aldo Rebelo (PCdoB-SP), no auditório da Folha de S.Paulo. De acordo com ele, a conduta correta do governo seria enviar as medidas para serem discutidas pelos congressistas e, somente após esse debate, apresentá-las à sociedade. Aldo, que é o atual presidente da Câmara e candidato à reeleição, também criticou duramente o instrumento das MPs. "A medida provisória é uma das maiores violências contra o Poder Legislativo", frisou o deputado. O parlamentar acredita ainda que é fundamental realizar mudanças na tramitação das medidas, em prol dos interesses da democracia e do parlamento.Chinaglia também defendeu mudanças na tramitação das MPs no Congresso Nacional, mas adotou um tom mais moderado ao debater a questão com os adversários. Na quinta-feira, aliados do petista disseram acreditar que ele pode vencer a disputa no primeiro turno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.