P-36: investigação aponta negligência, diz delegado

O delegado-titular de Macaé, Antônio Carlos de Carvalho, disse hoje que as investigações sobre o acidente com a plataforma P-36 estão "apontando na direção de uma negligência". O delegado tem como prioridade estabelecer quem é o responsável pelo fato de a P-36 não ter parado de produzir para ser reparada. "Com os depoimentos, vamos estabelecer uma cadeia de responsabilidades. Queremos saber quem poderia parar a plataforma e por que não o fez", explicou.O superintendente-geral da Petrobrás na Bacia de Campos, Carlos Eduardo Bellot, o responsável pela P-36 em terra, Claronildo Covas, e os engenheiros Paulo Vianna e Hélio Galvão, que em diferentes momentos foram coordenadores da plataforma em mar, serão ouvidos hoje por Carvalho.Reischtul e gerentes recebem comissão de deputadosO presidente da Petrobrás, Henri Philippe Reichstul, recebeu hoje os deputados federais da comissão especial da Câmara dos Deputados, que apura o acidente com a plataforma P-36, que afundou no dia 20 de março.Os parlamentares vão conversar com o gerente-executivo de exploração e produção da área Sul Sudeste, Carlos Tadeu Fraga, e um dos coordenadores da P-36, Hélio Menezes Galvão, segundo a assessoria de imprensa da Petrobrás. Os parlamentares darão entrevista mais tarde, de acordo com a estatal.Reichstul almoça com o presidente Fernando Henrique Cardoso e o primeiro-ministro da França, Lionel Jospin. Às 15h, Reichstul terá reunião com o ministro das Minas e Energia, José Jorge. Um dos assuntos na pauta é o preço do gás, usado pelas usinas termoelétricas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.