Oviedo é homenageado por empresários

O ex-general paraguaio Lino César Oviedo foi homenageado, nesta quinta-feira à noite, com um jantar em Curitiba. Cerca de 200 empresários e políticos festejaram a escolha de Oviedocomo candidato à presidência do Paraguai pela União Nacional do Cidadãos Éticos(Unace), apesar de ele não poder voltar ao Paraguai, sob risco de ser preso.Oviedo, de 59 anos, foi condenado a uma pena de 10 anos de prisão por tentativa degolpe em 1996 contra o então presidente Juan Carlos Wasmosy. Além disso, ele éacusado de ter ordenado, em março de 1999, o assassinato do vice-presidente LuizArgaña e de 7 manifestantes, que também lhe valeu abertura de novos processos.O porta-voz de Oviedo e senador Alejandro Velasquez Ugarte disse que no próximo domingo umacomissão de advogados do Paraguai, Brasil, Uruguai e Chile viaja para Washington(EUA) para se encontrar com uma comissão de direitos humanos e pedir apoio para quea pena seja extinta.Também serão feitos pedidos ao Pacto de San Jose (Costa Rica) e à comissão de direitos humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA).O ex-general paraguaio está vivendo no Brasil. No início deste ano, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou um pedido de extradição encaminhado pela Justiça paraguaia.Ugarte acredita que ele poderá voltar ao Paraguai para fazer campanha. "O dia D e ahora acha-se", disse. O porta-voz afirmou que a condenação de Oviedo "não existe"."Foi feito por corte marcial", afirmou. "Nunca, no Paraguai, se conheceu perseguiçãopolítica tão implacável".O jantar de homenagem foi organizado pelo comitê brasileiro de solidariedade aoParaguai. Ao chegar, Oviedo disse que falaria com a imprensa, mas quem se dispôs aconversar foi seu porta-voz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.