DIV
DIV

Ouvidoria vai apurar ação da PM em reunião petista

Policiais interrompem encontro pró-Lula em Diadema e ouvidor classifica ação como um ‘risco à democracia’

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2016 | 14h14

A Ouvidoria da Polícia Militar de São Paulo vai investigar uma ação policial ocorrida na noite da última sexta-feira, 11, na subsede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em Diadema. Segundo testemunhas, policiais invadiram o local onde ocorria uma reunião em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Estavam presentes no encontro dezenas de militantes do PT e deputados. O ouvidor da corporação, Júlio Cesar Neves, classificou a abordagem policial como um “risco à democracia”.

Neves comparou o episódio à época da ditadura militar (1964-1985) e disse que vai cobrar explicações da Secretaria de Segurança Pública. Segundo ele, a Secretaria de Segurança será acionada para apurar o caso.

“É algo inédito e precisamos saber de quem partiu a ordem. Isso é um risco à democracia. Em 1964 começou assim”, afirmou o ouvidor da PM.

Segundo o deputado estadual Luiz Turco (PT-SP), um grupo de pessoas estava reunido na subsede do sindicato anteontem à noite para uma homenagem a Lula, que foi alvo de um pedido de prisão do Ministério Público de São Paulo na quinta-feira, e ao ex-prefeito de Diadema e ex-secretário municipal de Saúde de São Paulo José de Filippi Junior, quando dois policiais militares armados com metralhadoras entraram no local sem mandado judicial, dizendo que foram chamados para averiguar uma “denúncia” de reunião em favor do petista. “Quando cheguei, os policiais estavam em uma sala da diretoria e o nosso pessoal todo do lado de fora. Tentamos negociar a saída deles, mas eles já haviam chamado reforços”, disse o deputado.

O sindicato divulgou uma nota na qual “insta o Poder Executivo Estadual a manter as suas forças policiais nos estritos limites da legalidade”.

Em nota, a PM disse repudiar a “errada conotação política” dada ao episódio “normal” e nega ter havido “invasão ou intimidação a sindicalistas”. Segundo a SSP, os policiais foram ao local averiguar uma informação de que os petistas pretendiam fazer uma passeata pelas ruas da cidade.

UNE. O muro da sede da União Nacional dos Estudantes em São Paulo foi pichado nesse sábado, 12, com os dizeres “Lula na cadeia”, “Vendidos” e “Estudantes Mortadelas”. A presidente da entidade, Carina Vitral, condenou em vídeo o que chamou de ato de “intimidação”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.