Otimista, Rebelo quer que Senado vote o mínimo amanhã

O ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, disse que, se depender dele, será votada, amanhã, a medida provisória que fixou em R$ 260,00 o valor do mínimo vigente desde 1º de maio, mas ressalvou que a data é uma prerrogativa do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). "Quem determina o dia da votação é o presidente do Senado, e o governo não tem que opinar", disse o ministro, após encontro com líderes da base aliada, no gabinte do líder do governo, senador Aloizio Mercadante (PT-SP).Rebelo disse que não vê "nenhum quadro desfavorável" e que as perspectivas são otimistas. "É claro que precisamos conversar com a base e com setores da oposição", ressaltou, deixando claro que o trabalho é de persuasão e de negociação. Segundo Rebelo, todos os ministros estão participando do esforço do governo para aprovar a MP. Em relação a uma suposta estratégia do governo de tentar evitar o comparecimneto dos senadores que votariam contra a MP, ele afirmou: "Falar em esvaziamento é um absurdo, porque o governo não tem essa política nem a força para isso". Ele negou atritos com o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, ressaltando que o ambiente no governo "é de cooperação e serenidade". "Tenho recebido apoio de todos os ministros, do ministro José Dirceu e dos líderes para o exercício das atividades de articulação política", afirmou. O ministro minimizou a questão da liberação de recursos das emendas parlamentares ao orçamento da União deste ano em troca do voto pela MP do mínimo. Disse que a liberação é uma imposição do orçamento e que o governo libera os recursos porque está obrigado por lei a isso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.