Ossada achada no Araguaia não é de guerrilheiro

Análise de DNA, divulgada nesta sexta-feira pela Universidade de Buenos Aires, revelou que a ossada encontrada em Xambioá, norte do Tocantins, em 1996, não é de João Carlos Haas Sobrinho, guerrilheiro do PC do B morto em 1972 pelo Exército na guerrilha do Araguaia. Após dez meses de trabalho, os peritos argentinos confrontaram o DNA retirado das ossadascom o material genético de familiares do ex-guerrilheiro. O resultado das investigações foi entregue ao ministro dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda. De Buenos Aires, Nilmário já comunicou o resultado à irmã do ex-guerrilheiuro, Sônia Haas. O relatório de exumação, assinado por Luis Fondebrider e equipe,apontou, todavia, que os restos mortais poderiam pertencer a outrosguerrilheiros mortos naquela região, no mesmo período. "O governofederal continuará a envidar esforços para cumprir o seu dever legal eético de resgatar e identificar os restos mortais de desaparecidos eentregá-los às famílias", afirmou o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.