Osmar Dias diz estar desgastado com indefinição política

O senador Osmar Dias (PDT-PR) precisa definir um entre dois caminhos para as eleições de outubro: concorrer ao governo do Paraná em coligação com o PMDB e o PT ou tentar a reeleição. Ele prefere o governo, mas aí seria o comandante do palanque da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, no Estado e entraria em conflito com o irmão, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR). Alvaro é cotado para vice-presidente na chapa encabeçada por José Serra (PSDB). "Tem que decidir, porque não se aguenta mais isso. Eu, principalmente, estou desgastado demais com esse troço", afirmou Osmar, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo

AE, Agência Estado

29 de junho de 2010 | 11h06

Ele disse que está demorando para tomar uma decisão para a eleição deste ano porque a indicação de Alvaro Dias como vice na chapa de Serra era um assunto que "vinha sendo conversado". "As pessoas achavam que era indefinição minha, mas não era. Era preocupação de não ficar em uma situação desagradável, como neste momento. Está muito difícil para mim."

Questionado se, no caso de ser candidato à reeleição, seria independente ou faria coligação com o PMDB, Osmar Dias disse que ainda é cedo para responder a essa questão. Ele reafirmou que ainda não há um entendimento sobre sua situação. "Estou preparado para ser governador. Eu me preparei, estudei o Estado, estou com projeto pronto. Mas tem que analisar essa situação nova, ela realmente é complicadora." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçãoOsmar DiasPSDBvice

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.