Oslo ultrapassa Tóquio como a cidade mais cara do mundo

Nada nela é grátis ? até mesmo uma ida ao banheiro público custa 10 kroners (US$ 1,32). Nenhuma surpresa, portanto, que uma pesquisa dê agora a dúbia honraria do primeiro lugar, a Oslo, como a cidade mais cara do mundo.A lista de preços altos organizada pelo gigante UBS, um banco suíço, mostra que Tóquio caiu para o terceiro lugar ? deixando o primeiro lugar que ocupa desde 2000, quando a pesquisa começou a ser feita. Hong Kong é a segunda da lista e Nova York, quarta. O UBS cita a deflação e a depreciação do iene japonês como uma das razões de o custo de vida em Tóquio ter caído. Enquanto isso, o kroner norueguês valorizou-se ? e muita gente, agora, sente os efeitos.Uma corrida de ônibus de três minutos custa 20 kroners (US$ 2,64), quando a passagem é comprada antecipadamente, e 30 kroners (US$ 3,97), no último minuto. Um litro de gasolina está a 9,60 kroners (US$4,89), um pouco menos de que um hambúrguer simples, que custa em média 45 kroners (US$5,95). O kebab, normalmente uma comida barata, subitamente entrou no cardápio fast food do nórdico habitante de Oslo.O preço de um pint ? aquele copo com meio litro de cerveja ? é 52 kroners (US$ 6,88). Caro, mas vale o preço para muitos.?Bebo cerveja para esquecer quanto me custa buscar e entregar instrumentos?, diz Jan Berg, um especialista em reparos de instrumentos. Ele ganha 330.000 kroners (US$43.630) por ano ? uma pouco acima da média salarial de 310.000 kroners (US$ 40.986). De certo modo, altos salários reduzem a ferroada do custo de vida ? mas não muito. Berg diz que vive num modesto apartamento, encima de uma pizzaria.?Não vivo bem, acredite-me?, diz.Tor Steig, economista-chefe da Confederação Norueguesa de Negócios e Indústria, explica que Oslo está enfrentando uma expansão salarial há cinco anos, um dos numerosos fatores que tornam a cidade cara. O salário mínimo norueguês é de 65 kroners a hora (US$ 8,59). Depois de Nova York, a pesquisa mostra que as cidades mais caras são Zurique, na Suíça; Copenhague, Dinamarca; Londres; Basel, também na Suíça; Chicago, nos EUA; e Genebra, Suíça. As mais baratas entre as 70 cidades ranqueadas são Buenos Aires e Mumbai, na Índia.A análise Preços e Renda compara a renda e o custo de vida baseando-se numa cesta de 111 bens e serviços. E mostra que as cidades de Zurique, Genebra e Basel têm o mais alto poder aquisitivo, seguidas por Los Angeles e Luxemburgo.Os habitantes de Miami, Los Angeles e Chicago, ainda segundo a pesquisa, precisam trabalhar apenas 10 minutos para ganhar o suficiente para comprar um Big Mac de um McDonald?s. Que passam a 3 horas e cinco minutos, quando se trata de um trabalhador de Nairobi, no Quênia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.