Os fantasmas do PT

Insistem no dogma de que Lula é intocável para alimentar discursos sectários

João Domingos, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2018 | 03h00

O medo de um fracasso do PT nas eleições de outubro está por trás da ameaça de radicalização de dirigentes do partido e das frases ditas por eles nos últimos dias com boa dose de fanfarronice. Gleisi Hoffmann, presidente do partido, afirmou que, para prender Lula, será preciso matar gente; o senador Lindbergh Farias (RJ) disse que não adianta lutar no campo institucional, que a luta tem de ser nas ruas, numa desobediência cidadã e civil; Luiz Marinho, presidente do PT de São Paulo, previu que o partido pode perder o controle sobre as massas, “já que Lula é uma liderança extremamente popular e está sendo brutalmente perseguido”. 

Gleisi e Lindbergh têm formação marxista-leninista. Caso os problemas de Lula com a Justiça resultassem na revolta das massas e nas condições para a revolução brasileira, já a estariam liderando. Mas não. Preferem insistir no dogma de que Lula é intocável para proferir discursos sectários. Como marxistas-leninistas deveriam se lembrar de que essa ciência política rejeita dogmas e abomina o sectarismo. 

Nem o PT nem os defensores de Lula que militam em outros partidos têm condição de reunir uma massa razoável para defender o ex-presidente. Segundo os organizadores da manifestação de quarta-feira, em Porto Alegre, no dia do julgamento do recurso de Lula pelo TRF-4, 70 mil pessoas compareceram ao ato. É muito pouco. E olha que quem organiza protestos costuma duplicar ou triplicar o número de presentes.

Recordemos os protestos de rua de 2013, que levaram, esses sim, mais de um milhão de pessoas para a Avenida Paulista, para ficar em São Paulo. A reação da presidente cassada Dilma Rousseff foi imediata. Ela convocou os governadores ao Palácio do Planalto e anunciou cinco eixos de reformas, um deles para combater a corrupção. De fato, em 2 de agosto de 2013, um mês e pouco depois da ocupação das ruas, Dilma sancionou a Lei 12.850/13, também conhecida como “Lei da Delação Premiada”. Essa lei, nem é preciso dizer, hoje é amaldiçoada por muita gente de vários partidos políticos, entre eles o PT.

As massas com as quais o PT conta são aquelas de sempre, em torno de movimentos sociais e sindicais bem organizados, como o MST e a CUT. Mesmo assim, insuficientes para fazer, por exemplo, uma greve geral. As últimas tentativas não deram certo, mesmo as que foram pensadas para combater as reformas trabalhista e da Previdência, bem objetivas. A adesão maior foi de funcionários públicos, onde está boa parte dos eleitores petistas. E greve geral sem que o transporte público seja paralisado não pode querer ser assim chamada. 

Quando os dirigentes petistas demonstram medo de enfrentar uma eleição sem Lula, eles estão cobertos de razão. Uma coisa é o PT com Lula. Outra, é o PT sem Lula. O teto de votos do ex-presidente hoje está entre 30% e 35%, enquanto que o do PT, sozinho, não passa de 20%. O que leva a um dilema: se Lula apoiar um petista para a disputa presidencial, esse candidato poderá chegar a 20%, o que pode ser insuficiente para a passagem ao segundo turno. Mas, se Lula apoiar alguém de outro partido, é provável que ele transfira para ele todos os votos do PT que, somados aos que o candidato teria em seu eleitorado próprio, poderá tornar o segundo turno possível. 

Só que essa fórmula pode dar certo para o candidato a presidente. Mas, de forma nenhuma, garantirá a eleição de grandes bancadas petistas para o Senado e para a Câmara. Quem vota em Lula, ou em algum nome que ele defender, não vota necessariamente em candidatos a deputado ou a senador do PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.