John Thys/ AFP
John Thys/ AFP
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Os desafios da revolução verde

Hoje, defender o planeta dá votos na Europa Ocidental, especialmente entre os jovens

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2021 | 03h00

Em 14 de julho deste ano, aniversário da queda da Bastilha, a Comissão Europeia propôs ao mundo uma nova revolução: o “European Green Deal”. O ambicioso projeto tem três objetivos: zerar as emissões de carbono até 2050, promover um crescimento econômico que não destrua o planeta, e compensar, de alguma forma, os perdedores da nova economia verde. O “European Green Deal” será amplamente discutido na COP 26, a conferência do clima que começa no próximo dia 31 em Glasgow.

O nome evoca o “New Deal” americano. Não é por acaso. Na década de 1930, os Estados Unidos viviam a ressaca da quebra da Bolsa de Nova York, e o presidente Franklin Roosevelt investiu pesado para recuperar a economia dos Estados Unidos. A Europa vive atualmente a ressaca da pandemia. Será gasto 1,8 trilhão de euros na recuperação econômica. Um terço desse valor será destinado ao “European Green Deal”. 

Os europeus querem transformar a crise em oportunidade. Trata-se, antes de tudo, de um grande projeto de política setorial. A União Europeia investirá dinheiro público para incentivar indústrias da economia verde – painéis solares, carros elétricos, materiais de construção energeticamente eficientes, por exemplo – e para promover o desenvolvimento das respectivas tecnologias.

Tudo isso custa caro – e também será necessário dinheiro para compensar os “perdedores”. Indústrias como a petrolífera e a de carros tradicionais ficarão fragilizadas, gerando desemprego. “A União Europeia precisa fortalecer sua rede de proteção para lidar com os problemas sociais que irão surgir”, diz João Mourato, professor da Universidade de Lisboa. Especialista em sustentabilidade, ele é o entrevistado do minipodcast da semana. 

Nem tudo se resume à economia. “Existe uma combinação rara entre recursos financeiros e circunstâncias favoráveis na política”, diz Mourato. Ele se refere ao fato de que, hoje em dia, defender o planeta dá votos na Europa Ocidental, especialmente entre os jovens. Em alguns países, como a Alemanha, o consenso em torno da economia verde perpassa o espectro político. A presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen, foi ministra no governo conservador de Angela Merkel. Ela baseia sua gestão no slogan “o futuro será verde e digital”.

Se a dura transição para a economia verde, no entanto, gerar desemprego ou abalos no estado de bem-estar social tão caro aos europeus, a boa vontade dos eleitores pode acabar. Esse equilíbrio delicado é o principal desafio do “European Green Deal”. 

Para saber mais

Mini-podcast com João Mourato 

Coluna de Celso Ming no Estadão sobre o Brasil na COP 26

Site do “European Green Deal”

ESCRITOR, PROFESSOR DA FAAP E DOUTORANDO EM CIÊNCIA POLÍTICA NA UNIVERSIDADE DE LISBOA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.