Ornéllas insiste em votação secreta

O senador Waldeck Ornéllas (PFL-BA), do grupo "carlista", continua insistindo na questão de ordem a favor da votação secreta do relatório do senador Saturnino no Conselho de Ética. Ele ameaçou entrar com mandado de segurança contra a decisão do presidente do conselho, senador Ramez Tebet (PMDB-MT), de realizar votação aberta. Tebet argumentou que a votação pode ser aberta porque ainda não há proceso de cassação, encontrando-se a matéria apenas em fase de investigação. "O recurso judicial é direito de qualquer cidadão e já é matéria preclusa (sobre a qual já foi tomada decisão pelo Conselho)", afirmou Tebet.O líder do bloco da oposição do Senado, José Eduardo Dutra (PT-SE), afirmou que o presidente do Conselho de Ética está correto ao estabelecer que, nesta fase do processo que investiga a violação do voto dos senadores no processo de cassação do ex-senador Luis Estevão deva ser aberta. Dutra lembrou que, no processo de cassação de Estevão, a votação para abertura do processo feita pela mesa do Senado foi aberta e somente a partir do início do processo de cassação é que as votações passaram a ser secretas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.