Ornelas sai em defesa de ACM

O senador Waldeck Ornélas (PFL-BA) foi, até agora, o único senador a defender o ex-presidente do Senado Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) durante a reunião que está sendo realizada pelo Conselho de Ética. Para Ornélas, a posição adotada por Magalhães de não trazer a público a existência de uma lista com os votos dados pelos senadores na sessão que cassou o mandato de senador de Luiz Estevão até que ficasse comprovado que não houve alteração dos votos refletiu, "efetivamente, uma postura de estadista". Waldeck Ornélas, afiliado político de ACM, disse acreditar que, com a divulgação do laudo da Unicamp comprovando que não houvera alteração nos votos dados pelos senadores, o senador Magalhães foi "liberado" para tratar da questão. O senador Roberto Saturnino Braga (PSB-RJ), numa rápida intervenção, questionou duramente a posição defendida pro Ornélas. "Então, se fosse assim, no dia 20 (um dia após a divulgação do laudo da Unicamp), o senador Antônio Carlos Magalhães teria que ter vindo a público dizer o que sabia", já que, segundo Saturnino, o senador José Roberto Arruda (sem partido-DF) vinha defendendo, no plenário da Casa, a tese de que não existia nenhuma lista. "Vossa Excelência está querendo assumir a defesa do senador Antônio Carlos Magalhães sendo mais realista que o rei", afirmou Saturnino Braga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.