Orlando Silva diz que irá devolver dinheiro gasto com cartão

Ministro do Esporte exibiu carta com pedido a banco para que seja devolvido R$ 30 mil

Agência Brasil, SÃO PAULO

02 de fevereiro de 2008 | 15h27

SÃO PAULO - O ministro do Esporte, Orlando Silva, disse, em entrevista coletiva neste sábado, que decidiu devolver o valor usado em sua pasta a partir do uso de cartão corporativo. ?Decidi recolher aos cofres públicos todo o dinheiro utilizado no cartão corporativo desde que assumi o Ministério do Esporte?, declarou aos jornalistas, num hotel na capital paulista.Veja também: Ministra da Igualdade Racial admite erro no uso de cartão e deixa cargo

Entenda o que são os cartões corporativos do governo


O ministro do Esporte exibiu carta que relatou ter enviado ao seu gerente no Banco do Brasil pedindo que debite de sua conta e repasse ao Tesouro Nacional R$ 30.870,38, que corresponderiam a seus gastos nessa modalidade em 2006 e 2007. Ressalvou que foram somente despesas, e não saques, e que a maior parte se destinou a pagamento de hospedagem. Disse também que repassará todos os comprovantes de gastos à Controladoria-Geral da União (CGU).

Orlando Silva foi o terceiro da lista de ministros que mais gastaram com cartão corporativo no ano passado. Sua despesa somou R$ 20.112, para pagamento de diárias e alimentação durante viagens oficiais, segundo a assessoria do ministério.

O ministro foi citado, na última quarta-feira, como um dos três primeiros que terão os gastos com cartão investigados pelo Ministério Público Federal (MPF). Os outros dois são o ministro da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca, Altemir Gregolin, e a ex-ministra de Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, que pediu demissão nesta sexta-feira.

Os gastos de Matilde somaram R$ 171 mil. Os de Gregolin, R$ 22.652,65. No total, o governo desembolsou R$ 75 milhões no ano com esse tipo de despesa.

Segundo o procurador da República no Distrito Federal responsável pela condução do inquérito instaurado no dia 24 sobre o caso, Carlos Henrique Martins, as investigações serão ampliadas à medida que surgirem novas suspeitas.

Na sexta, foi publicado o decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva restringindo o uso dos cartões e das contas de suprimentos de fundos, conhecidas como contas de tipo B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.