Orlando rebate denúncias e nega reunião com Dilma

Pelo twitter ministro disse que preparou um relatório de defesa

Gustavo Uribe, de Agência Estado

21 de outubro de 2011 | 13h19

O ministro do Esporte, Orlando Silva, usou sua página na rede de microblog Twitter para se defender das acusações de envolvimento em um suposto esquema de desvio de recursos do Programa Segundo Tempo. Pela madrugada, o titular da pasta do Esporte negou que tenha audiência marcada nesta sexta-feira, 21, com a presidente Dilma Rousseff e informou que já preparou um relatório de defesa para rebater o que classifica de "mentiras" publicadas desde o final de semana pela imprensa. Ele disse, nos posts, que "impressiona tantos ataques sem qualquer prova (sic)".

Em uma mensagem anterior, o ministro ressaltou que nenhuma prova contra ele foi apresentada até agora. "Não serão, porque não existem provas, não existem fatos. É tudo mentira", destacou Silva no Twitter. Apesar da negativa de um encontro com a presidente Dilma, a expectativa é de que os dois se encontrem hoje porque, segundo informações de bastidores, a presidente já teria decidido demitir o ministro.

Dilma chegou na noite desta quinta de viagem oficial a países da África e realizou reunião de emergência com os ministros da coordenação política, dentre eles o da Justiça, José Eduardo Cardozo, da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, para discutir mais essa crise em sua administração.

Orlando Silva foi acusado pelo policial militar João Dias Ferreira, em entrevista à revista "Veja" do último final de semana, de ter recebido propina dentro da garagem do Ministério do Esporte. O mesmo PM, dias depois, falou ao jornal O Estado de S.Paulo que também já havia negociado seu silêncio sobre o provável esquema diretamente com o político. Na quinta, o jornal O Estado de S. Paulo revelou também que um convênio que jamais saiu do papel foi renovado com uma entidade de fachada no valor de R$ 911 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
Orlando SilvadenúnciasdefesaDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.