Origem do valerioduto é o PSDB de Minas, diz o PT

Para contestar o relatório final da CPI Mista dos Correios, elaborado pelo deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), o PT afirma - em um voto que apresentará em separado ao texto oficial -, que a origem do esquema montado pelo empresário Marcos Valério Fernandes está no PSDB e remonta à campanha ao período de 1997 a 1998, quando o então governador de Minas, atual senador Eduardo Azeredo (PSDB), fez campanha para se reeleger. "Descobriu-se ali o DNA do esquema Marcos Valério", afirma o voto em separado, que já está sendo conhecido como "relatório paralelo". O documento do PT afirma haver evidências de que Marcos Valério manteve relacionamento constante e intenso com o senador (então governador) Eduardo Azeredo, desde a campanha, em 1998." O PT pretende que esse relatório seja votado na sessão de amanhã da CPI. O texto diz também que, no período 97-98, o governo de Minas era "o sexto maior alimentador das contas de Marcos Valério."Ao contrário do relatório de Serraglio, que não se estende muito sobre o esquema relativo a Eduardo Azeredo - embora tenha recomendado o indiciamento do atual senador -, o voto em separado do PT dedica muitas páginas ao caso. "O empréstimo bancário foi o meio encontrado para obtenção dos recursos que se faziam necessários tanto em 1998 como em 2003-2004. Não se conseguiu provar se, de fato, se tais empréstimos existiram na forma tornada pública, mas não há elementos que permitam considerar tais empréstimos como uma farsa". Segundo o documento, no caso de Minas Gerais e no governo federal do PSDB no período do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1999-2002), processos judiciais em estágio avançado têm comprovado que existem sérias irregularidades nos contratos firmados com as empresas de Marcos Valério (exemplos: Fundacentro, Secretaria de Saúde de Goiás)."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.