Ministério da Defesa
Ministério da Defesa

Órgão estratégico é ignorado durante crise

A Secretária de Assuntos Estratégicos (SAE) conta com 40 pesquisadores, militares e técnicos, e está subordinada a Bolsonaro

André Borges, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 05h00

BRASÍLIA – O Palácio do Planalto possui um órgão vital em sua estrutura de planejamento, a chamada Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE). Em um momento de crise aguda como o atual, essa área poderia ser chamada a apoiar a tomada de decisões que possam ter impacto social, ajudando a formular medidas nacionais de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

O Estado apurou que, do dia 14 de fevereiro, quando o órgão foi assumido pelo almirante Flávio Augusto Viana Rocha, até a semana passada, não havia nenhuma demanda formal direcionada à secretaria sobre o enfrentamento do coronavírus. O departamento não havia sido consultado para emitir nenhum parecer sobre a crise, por exemplo. Debaixo do almirante, há 40 pesquisadores, militares e técnicos, sem serem requisitados para qualquer tipo de ação.

Como revelou o Estado na quarta-feira, desde o início da crise, o presidente Jair Bolsonaro deu mais poder ao “gabinete do ódio”, núcleo ideológico comandado por seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), e que atua no Planalto

A indiferença à SAE não é nova. O órgão já vinha sendo ignorado pela Presidência desde o fim do ano passado, quando ainda era comandada pelo general Maynard Marques de Santa Rosa, que pediu demissão em novembro de 2019. O almirante Rocha é o terceiro secretário de assuntos estratégicos no governo Bolsonaro.

As mudanças promovidas por Bolsonaro fizeram com que a SAE passasse a responder diretamente a ele. Antes, estava ligada à Secretaria-Geral da Presidência. Até 2018, a secretaria contava com 56 profissionais de alto conhecimento técnico. Hoje são 40 funcionários. 

Dentro da SAE, o sentimento de alguns servidores é de que o governo “é um gabinete que não está ouvindo ninguém” e que se baseia em intuições e palpites que retira das redes sociais, sem observar a análise de auxiliares e seus relatórios estratégicos.

Sobre o coronavírus, até a semana passada não havia nenhum pedido ou documento que trace cenários estratégicos, prospectivos, análise de risco ou geoinformação. Bolsonaro continua a criticar medidas de isolamento e a defender que as pessoas retomem suas atividades normais, na contramão do que dizem a Organização Mundial de Saúde (OMS), especialistas e governantes internacionais. 

Procurada, a SAE informou que “diariamente”, o presidente “demanda informações e pareceres que estão subsidiando os processos de tomada de decisões de alto nível em curso no País” e que, atualmente,“está em andamento um processo de diagnóstico de processos, com o propósito de adequar a estrutura da secretaria”.

Em nota, o órgão informou ainda que o secretário também “participa diariamente de todas as reuniões estratégicas realizadas pelo presidente”. “Contribuindo, portanto, com todos os processos de tomada de decisão do governo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.