GABRIELA BILO / ESTADÃO
GABRIELA BILO / ESTADÃO

Organizadores mantêm atos pró-Bolsonaro mesmo com avanço do coronavírus

Grupo, no entanto, admite que pode recuar se houver uma determinação explícita do Ministério da Saúde

Pedro Venceslau e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 15h48

O aumento dos casos de infectados pelo novo coronavírus (covid-19) no Brasil – foram 73 casos registrados até essa manhã – não alterou o cronograma das manifestações em defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) convocadas para o próximo domingo, 15, mas parte dos organizadores admitem que podem recuar se houver uma determinação explícita do ministério da Saúde.

Sete grupos informaram a Polícia Militar que levarão carros de som para a Avenida Paulista. São eles Nas Ruas, Movimento Direita Conservador, Frente Conservadora, Guerreiros do Sudeste, Avança Brasil, Nova Atitude e Patriotas do Brasil. Líderes dessas agremiações ouvidos pela reportagem minimizam o avanço da doença e até questionam uma suposta conspiração. 

“Nós vamos para a Avenida Paulista. Isso (corona vírus) é coisa que a China está inventando. A nossa ideia é levar até 1 milhão de pessoas às ruas, mas pode ser que esse número seja reduzido por causa disso”, disse Anilo Anunciato, líder do Movimento Conservador (ex-Patriotas do Brasil). O grupo pagou R$ 9 mil no aluguel de um caminhão de som que ficará em frente a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). 

“O coronavírus não é algo preocupante no momento. Esse vírus funciona diferente em países tropicais. O povo está tranquilo. Ninguém deixou de andar de ônibus”, disse David Alexander Silva Ramos, da Frente Conservadora São Paulo, grupo de reúne as agremiações Direita Digital e República de Curitiba.  “O transporte público continua normal. As pessoas nos barzinhos bebendo enchendo a cara, indo para a balada, para o pancadão, continua tudo normal”, justificou. 

O movimento República de Curitiba, que defende Bolsonaro mas prega pautas alinhadas com o ministro Sérgio Moro, anunciou pelas redes sociais que desistiu da manifestação. 

Para Henrique Watanabe, do movimento Brasil Nova Atitude, os pedidos de cancelamento dos atos de domingo são uma “falácia” de pessoas que têm a intenção de prejudicar as manifestações. 

“O coronavírus é algo que deve ser levado a sério mas essa falácia (de cancelar os atos) não existe. A concentração de pessoas no metrô é imensa, até maior do que as manifestações, e ninguém fala em fechar o metrô. Este burburinho é dos inimigos do movimento. Não vamos cair na conversinha mole de parlamentar sujo que quer nos atrapalhar”, disse Watanabe. 

O Brasil Nova Atitude e outros grupos, porém, admitem recuar se houver um pedido explícito do governo. “Estamos avaliando a situação e seguindo as orientações que o ministério da Saúde está provendo. A maioria de nossa base é contra o  cancelamento/postergação. Nossa decisão sobre alguma mudança será estritamente técnica apoiada no que Mandetta e sua equipe, responsáveis pela saúde no Brasil, recomendarem”, disse Nilton Caccáos, coordenador Avança Brasil. 

O Nas Ruas, um dos grupos mais antigos e estruturados que convocam a manifestação, também vai seguir as orientações do governo federal. 

“Nossa posição é que as manifestações estão mantidas. Porém, estamos aguardando a posição do governo federal sobre o que deve ser feito”, disse um dos coordenadores do Nas Ruas, Tomé Abduch.

Segundo ele, o “feeling” dos organizadores é que a manifestação pode sim ser um espaço para propagação do coronavírus mas a decisão sobre a manutenção ou não do ato deve ser de especialistas. 

O ativista faz porém um questionamento. “Nossa pergunta e dúvida é: Há uma manifestação da esquerda no dia 14, uma outra de jornalistas para dia 18, essa semana houve vários jogos da libertadores com multidões de 60/70 mil pessoas, os metros das capitais vivem apinhados de gente, políticos fizeram atos de entregas de obras com a participação de muita gente aglomerada. Por que o foco é só dia 15?”

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou nesta quarta-feira, 11, a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Segundo o órgão, o número de pacientes infectados, de mortes e de países atingidos deve aumentar nos próximos dias e semanas.

O governador de São Paulo declarou que os grandes eventos que precisam de autorização da administração pública serão mantidos. “Neste momento, volto a repetir, nesta data não há nenhuma recomendação do governo do estado de São Paulo para cancelamento de eventos esportivos, de entretenimento ou de conteúdo. Nesse 12 de março não há nenhuma determinação para cancelamento de eventos públicos, independentemente do número de pessoas”. Ele ressaltou que a decisão ficará por conta das empresas, organizadores. “Cada instituição pode tomar essa decisão, mas não sob recomendação oficial.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.