Orçamento pode atrasar se não for votado até 7 de março

A votação do Orçamento de 2008 poderá sofrer nova interrupção se não for concluída até o dia 7 de março. A ameaça se deve a uma resolução do Congresso que determina que nessa data sejam trocados todos os integrantes da Comissão Mista de Orçamento, inclusive os atuais relatores, que estão comandando o processo de reestimativa de receitas e corte nos gastos. O rodízio na comissão foi estabelecido como antídoto contra o aparelhamento da comissão por um pequeno grupo de parlamentares. O mandato dos atuais integrantes vence exatamente no dia 7. Se a resolução não for alterada até lá ou se não houver um acordo suprapartidário, até mesmo os relatores poderão ser substituídos, atrasando ainda mais o calendário. "A resolução prevê uma série de coisas que não aconteceram no cronograma previsto, como a votação do Orçamento até o final de 2007", afirma um técnico da Comissão, segundo o qual o prazo de março poderia ser prorrogado até o final da votação do Orçamento. Mas essa é uma hipótese. Há também o risco de se aplicar o teor da resolução na íntegra, o que obrigaria um troca-troca geral na comissão. Outra alternativa seria remeter o relatório do deputado José Pimentel (PT-CE) para votação diretamente em plenário, evitando o atraso. Hoje o petista se reuniu com o presidente da Comissão, senador José Maranhão (PMDB-PB), e o sub-relator de receitas, senador Francisco Dornelles (PP-RJ), para acertar a divulgação de seu relatório no dia 12 de fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.