Orçamento é aprovado em votação simbólica

O plenário do Congresso aprovou em votação simbólica, na madrugada desta sexta-feira, a proposta orçamentária para a União em 2002. A votação foi concluída à uma hora e dez minutos desta madrugada. O início da votação foi garantido depois de um acordo entre governistas e oposição.Os partidos de oposição marcaram posição votando contra o relatório do deputado Sampaio Dória (PSDB-SP) e a favor de uma emenda propondo que o reajuste do salário mínimo seja maior do que R$ 200,00 caso haja excesso de arrecadação em 2002. O destaque foi rejeitado. A proposta que vai à sanção presidencial teve um acréscimo de R$ 13,8 bilhões de reais na estimativa de receitas. A previsão total de gastos para 2002 é de R$ 650,4 bilhões. Deste montante, R$ 278,1 bilhões referem-se à amortização da dívida pública e R$ 58,4 bilhões ao pagamento de juros e encargos. A receita total prevista - exceto a rolagem das dívidas - é de R$ 320,7 bilhões e a despesa de R$ 289,9 bilhões. A proposta prevê um superávit primário do governo central de R$ 29,6 bilhões. Estão previstos gastos de R$ 68,5 bilhões com pessoal e encargos, R$ 204,9 bilhões em despesas correntes, R$ 17,1 bilhões em investimentos, R$ 16,8 bilhões em inversões financeiras e R$ 6,4 bilhões para reserva de contingência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.