Orçamento de 2001 tem corte de R$ 5,8 bilhões

O Orçamento da União de 2001 terá um corte de R$ 5,8 bilhões, anunciou o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Martus Tavares. O governo incluiu nas despesas o compromisso com aumento do salário mínimo, que levará a uma expansão de despesas este ano de R$ 3,1 bilhões, e também o reajuste do salário dos militares. O ministro destacou que os limites de despesas em investimentos previstos no decreto ficaram R$ 1,5 bilhão acima do valor fixado no projeto de lei enviado pelo governo ao Congresso Nacional e R$ 5,8 bilhões inferior ao valor fixado pela lei orçamentária de 2001 aprovada no Congresso.As despesas com investimentos, aprovadas na lei, eram de R$ 57,946 bilhões. Agora, com o corte, o limite ficou em R$ 52,087 bilhões. Esse novo limite já contempla uma reserva orçamentária de R$ 1,5 bilhão. No projeto de lei enviado ao Congresso, em meados do ano passado, as despesas com investimentos previstas eram de R$ 50,644 bilhões.O corte de R$ 5,8 bilhões equivale a mais da metade do total de R$ 10 bilhões de expansão de receitas, que o Congresso Nacional incluiu no Orçamento de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.