Oposição vê 'derrota de Lula' em pedido de condenação a 36 réus do mensalão

Para líderes de DEM e PSDB, decisão confirma existência do esquema de compra de votos, negada pelo ex-presidente em mais ocasiões

Rosa Costa e Denise Madueño, de O Estado de S.Paulo, e Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

08 de julho de 2011 | 19h31

BRASÍLIA - A oposição enxergou na manifestação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pedindo ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condenação de 36 pessoas no processo do mensalão, uma derrota da teoria difundida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que o esquema de compra de apoio político nunca existiu. Para os oposicionistas, uma condenação em massa no processo seria importante para reduzir qualquer sensação de impunidade.

O líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP), foi um dos que viu na manifestação de Gurgel uma derrota de Lula. "A manifestação do procurador é a confirmação formal e material da existência do mensalão. Temos que esperar a decisão, mas isso derruba o que o próprio presidente Lula falava de que não existiu mensalão, que tudo era uma peça da oposição tentando desviar o foco."

O presidente do DEM, senador José Agripino (RN), afirmou que Gurgel fez o "óbvio" ao confirmar a denúncia encaminhada pelo seu antecessor, Antonio Fernando de Souza. Ele ironizou tentativas do PT de reabilitar personagens denunciados no esquema, como José Dirceu e Delúbio Soares. "Quero ver o que o PT vai dizer dos filiados que tentou inocentar na marra."

ACM Neto, líder do DEM na Câmara, destacou que a manifestação vem em momento ruim para o governo. Ele lembrou que dois ministros, Antonio Palocci e Alfredo Nascimento, deixaram seus cargos no último mês devido a denúncias e o escândalo dos "aloprados" foi ressuscitado com acusações contra Aloizio Mercadante, ministro da Ciência e Tecnologia. "Essa posição do procurador amplia o desconforto do PT e do governo, que está envolvido em diversos escândalos."

O líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO), destacou o fato de a denúncia contra os mensaleiros ter acontecido no momento em que está em tramitação o processo de recondução de Gurgel. Sua indicação deve ser analisada pelo Senado na próxima semana. Ele atribuiu a isso a exclusão de Luiz Gushiken da lista de denunciados. "Ele quis melhorar a imagem de governistas, tentando obter simpatia na sabatina."

Demóstenes afirma ter perdido a confiança em Gurgel depois de o procurador ter se recusado a avaliar a situação de Palocci. O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) fez a mesma ressalva. Para ele, a acusação sobre o mensalão seguiu adiante porque já havia muito material na procuradoria. "Não dava para arquivar."

O líder do PSDB, Alvaro Dias (PR), prevê que o julgamento no STF dos mensaleiros "será histórico". "O procurador reafirma a denúncia feita por seu antecessor, inclusive se valendo da veemência, da acusação fulminante quanto à existência de uma organização criminosa interessada em manter um projeto político com pleno conhecimento da Presidência da República", destacou o tucano.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoGurgelPTLulaoposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.