Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Oposição usa piora na economia para tentar inflar atos contra Bolsonaro

Mudança é tentativa de ampliar mobilização pelo impeachment; siglas de esquerda devem protagonizar protestos pelo País

Caio Sartori, Tulio Kruse e Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2021 | 20h16

BRASÍLIA, RIO E SÃO PAULO – Enquanto os últimos atos da oposição contra o presidente Jair Bolsonaro tiveram como foco as críticas ao negacionismo em relação à pandemia e os ataques à democracia, desta vez organizadores apostam em temas como a disparada da inflação e o desemprego como fatores de motivação para que as pessoas saiam às ruas contra o governo. O País voltou a ter inflação na casa dos dois dígitos, há 14 milhões na fila do desemprego e um em cada quatro brasileiros enfrenta algum grau de fome.

Os protestos de hoje foram articulados por nove partidos – PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB, Rede, PV, Cidadania e Solidariedade – e pelo movimento Direitos Já!. Estão previstos atos em 305 cidades de todos os Estados e do Distrito Federal, além de 18 países. Os maiores são esperados em São Paulo e no Rio. 

“As manifestações de amanhã (hoje) têm uma centralidade que é, além do impeachment, o combate aos problemas do País: desemprego, fome. Esses temas, que não estavam na manifestação do (Movimento Brasil Livre) MBL (no dia 12 de setembro), terão muito peso”, afirmou o deputado José Guimarães (PT-CE). O protesto organizado pelo MBL e pelo Vem Pra Rua, movimentos de direita, com foco na defesa da democracia, teve baixa adesão.

Nas últimas semanas, o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto já usou a inflação alta e o aumento da fome para protestar em frente à casa do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), em Brasília, e na ocupação da Bolsa de Valores de São Paulo. Nos dois casos, ativistas levaram ossos bovinos em referência à alta dos preços dos alimentos, que tem tornado o produto inacessível a muitas famílias. Há dois dias, uma foto do jornal Extra de um caminhão com ossos e restos de carne sendo distribuídos a moradores do Rio viralizou.

“O grande problema hoje no Brasil, com a vacinação avançando, apesar do Bolsonaro, é a crise econômica e social. O brasileiro está comendo osso, literalmente”, afirmou o vice-presidente do PT, Washington Quaquá.

Dos principais nomes da chamada terceira via, apenas Ciro Gomes (PDT) confirmou presença. João Doria (PSDB), Eduardo Leite (PSDB), Alessandro Vieira (Cidadania), Sérgio Moro e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) não devem comparecer. Assim, os partidos de esquerda e centro-esquerda devem protagonizar os atos de hoje. Porém, sem sua maior estrela, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que lidera as pesquisas eleitorais. O petista também deve ficar de fora.

O motivo das ausências é a divergência sobre a defesa do impeachment de Bolsonaro. A falta de engajamento de alas do PT é motivo de crítica de grupos de oposição, à esquerda e à direita. Líderes do Novo, do MBL e do Vem Pra Rua – rivais dos petistas – acusam o partido de não estar interessado na deposição de Bolsonaro a um ano das eleições, pois aposta que será mais fácil derrotar um presidente fraco nas urnas.

Respaldado pelo apoio do Centrão, Bolsonaro, hoje, dificilmente teria um pedido de impeachment aprovado. Mas, na avaliação dos organizadores dos atos, se os protestos forem expressivos, essa blindagem pode começar a se romper ou, pelo menos, reduzir suas chances políticas de reeleição. Existe também o interesse em “responder” aos atos feitos pelo presidente no 7 de Setembro e colocar mais gente na rua do que conseguiu Bolsonaro.

Apesar das ausências da terceira via, os organizadores dos atos ainda se mobilizam para conseguir o maior número possível de políticos e representantes dos partidos de centro. As centrais sindicais aprovaram, inclusive, uma decisão no sentido de ampliar o palanque para outros campos políticos.

“As centrais sindicais apoiam a ampliação da diversidade de atores nas ruas pois entendem que nada é mais urgente do que impedir que Bolsonaro continue o seu desgoverno criminoso”, diz a nota oficial das centrais. “Para derrubar Bolsonaro é preciso ir além do nosso campo, pois precisamos de 342 votos na Câmara dos Deputados para aprovar o impeachment. Não é questão de ideologia, mas de matemática”, justificam. “Neste momento, um dos mais graves da nossa história, é necessário focar no que nos une, e não no que nos separa”, diz o texto divulgado pelas centrais.

Pressão. Os sindicatos também querem que a força dos protestos de hoje pressione o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), aliado de Bolsonaro, para que o deputado coloque em pauta algum dos 131 pedidos de impeachment que estão em sua gaveta. 

O atual presidente é o que acumula o maior número de denúncias em menos de três anos de mandato, e o Congresso já discute uma forma de tirar de Lira o poder de decidir sozinho sobre a abertura do processo de cassação. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, no Senado, pretende incluir em seu parecer final uma proposta que submeta ao plenário da Câmara a decisão de iniciar o impeachment.

Principal líder da Força Sindical, o deputado federal Paulinho Pereira (SP) também espera que o movimento ajude no processo de impeachment de Bolsonaro. “Dia 2 de outubro é a união do Brasil contra esse desgoverno do Bolsonaro. Vamos para as ruas, mostrar que o povo brasileiro defende a democracia e não aguenta mais viver em um país com a gasolina a R$ 7 e gás de cozinha a R$ 120”, defendeu o parlamentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.