Oposição tenta barrar votação do projeto da CLT

Cerca de 70 representantes de trabalhadores que tiveram acesso àsgalerias do plenário da Câmara começaram a gritar palavras de ordem, e a segurança da casa chegou a temer que eles quebrassem a vidraça que separa as galerias do plenário. O presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), disse que atitudes como essa é que justificavam a restrição do acesso dos trabalhadores às instalações da casa. Ele imediatamente apelou aos líderes da oposição, que patrocinaram a vinda desses trabalhadores, que fizessem pronunciamentos para fazê-los limitarem suas manifestaçõesapenas a aplausos. A votação do projeto que altera as leis trabalhistas sofre atraso em função de manobras protelatórias e de obstrução da oposição. Há requerimentos de adiamento da votação para um ou dois dias e até por uma semana, pois a estratégia da oposição é fazer com que o maior número de parlamentars governistas se retire do plenário e a base do governo desista de votar o projeto hoje. Um manifestante chegou a ser retirado à força das galerias . O líder do PT, Walter Pinheiro (BA), subiu até o local para tentar apaziguar os manifestantes. Enquanto isso, no plenário, Aécio Neves pediu reforço da segurança e serenidade dos representantes dos trabalhadores nas galerias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.