André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Oposição resiste, mas vai ao Conselho de Ética

Líder do PSDB no Senado afirma que colegiado será acionado na terça após momento de ‘cautela’ à espera de reação do presidente da Casa

Daniel Carvalho, Isabela Bonfim E Ricardo Brito / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2015 | 07h42

Brasília - A oposição resistiu, mas acabou decidindo encabeçar apresentação de representação no Conselho de Ética do Senado contra o líder do governo na Casa, Delcídio Amaral (PT-MS).

Diante da possibilidade de o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também investigado na Operação Lava Jato, protelar o acionamento do colegiado para dar início ao processo de cassação do mandato, partidos de oposição decidiram esperar até terça-feira para agir. Antes reticentes, líderes de PSDB, DEM, PPS e Rede conversaram na tarde de ontem e traçaram o “plano B” por “prudência”, como disse um dos líderes.

Aliados de Renan o aconselharam a protelar ao máximo a representação contra o senador preso anteontem, após ser flagrado em gravação articulando um plano de fuga para Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobrás preso em janeiro, para impedir que ele fechasse acordo de delação premiada.

“Se a Mesa não fizer a notificação da decisão do plenário ao Conselho de Ética, vamos fazer na terça-feira”, disse o líder o PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB). Para ele, não é preciso esperar a denúncia da Procuradoria-Geral da República, pois as provas já reveladas são suficientes para que façam a representação.

Horas antes, no entanto, a postura da cúpula tucana era de cautela. “Estamos aguardando que a presidência do Senado Federal faça o que achar mais adequado”, disse o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), no início da tarde de ontem. Questionado sobre a possibilidade de Renan não acionar o conselho, o tucano disse que, só então, discutiriam o assunto. “(Se Renan não representar), aí vamos discutir se nós o faremos, o conjunto das oposições. Mas me parece que este começa a ser consenso no Senado Federal: o comunicado feito ao Supremo chega também ao Conselho de Ética”, afirmou Aécio.

Amizade. Nos bastidores, deputados e senadores de oposição diziam que, por amizade, ninguém queria dar início ao processo de perda de mandato do petista. Considerado “o mais tucano dos petistas”, Delcídio já foi filiado ao PSDB e ocupou uma diretoria da Petrobrás durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. “Do ponto de vista pessoal, lamento a prisão do senador Delcídio. Mas, do ponto de vista institucional, ela me pareceu necessária”, afirmou Aécio. “Nem nós da oposição poderíamos imaginar o tamanho dessa máfia, ninguém poderia pensar isso do Delcídio”, declarou o tucano em entrevista à Rádio Jornal, do Recife.

Após reunião da Executiva do PSDB, Aécio Neves também cobrou ontem um posicionamento da presidente Dilma Rousseff sobre a prisão de Delcídio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.