Oposição reforça pedido para que MP investigue Palocci

Ao mesmo tempo em que iniciaram a coleta de assinaturas para uma CPI que investigue as atividades de consultor do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, os líderes dos partidos de oposição (PSDB, DEM, PPS e PSOL) decidiram hoje encaminhar novas representações ao procurador-geral da República, Roberto Rangel, sobre o caso.

ROSA COSTA, Agência Estado

24 de maio de 2011 | 12h46

Eles querem que o Ministério Público investigue o crescimento do patrimônio do ministro e o fato de Palocci ter apresentado emenda disponibilizando R$ 250 mil do Orçamento da União para uma entidade na qual o cargo de vice-presidente era ocupado por sua cunhada, Heliana da Silva Palocci.

"Temos a esperança que as pessoas que ainda possuem capacidade de indignação possam assinar as representações e o requerimento para viabilizar a CPI e que se investigue os valor recebidos pelo ministro entre a campanha e a posse da presidente Dilma Rousseff", afirmou o líder do PSDB, senador Álvaro Dias (PR). Ele voltou a defender a saída de Palocci do cargo.

"Os que blindam o ministro Palocci nesta hora estão prevaricando, porque os fatos são tão visíveis, palpáveis e graves, que a blindagem é prevaricação", alegou Dias. O líder do DEM, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), entende que o crescimento do patrimônio do ministro "é altamente suspeito" e, portanto, tem necessariamente de ser explicado à sociedade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.