Oposição realiza ato pró-CPI

Depois de entregar formalmente o requerimento de criação da CPI da Corrupção ao presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), líderes dos partidos de oposição e representantes de entidades civis estão realizando, neste momento, no Salão Verde da Câmara dos Deputados, um ato de apoio à CPI. O encontro está ocorrendo com certo tumulto, pois os participantes estão tendo que gritar já que, segundo eles, o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), teria proibido a instalação de microfones no local. Entre as entidades da sociedade civil estão representadas a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Central Geral dos Trabalhadores (CGT). Entre os dirigentes políticos presentes estão os presidentes do PSB, Miguel Arraes, e do PDT, Leonel Brizola; o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, e o ex-governador do Distrito Federal, Cristovam Buarque. O presidente da OAB, Rubens Approbato Machado, anunciou que os advogados vão colocar-se em vigília, como aconteceu na véspera da cassação do ex-presidente Fernando Collor, para ver se as práticas de corrupção serão mesmo apuradas. Segundo ele, as denúncias "chegaram a tal ponto que a sociedade não pode permitir que a sujeira fique debaixo do tapete".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.