Oposição reage a reclamações do PT quanto a vaias

Executiva do partido sustenta tese que imprensa e oposição estão articuladas contra governo

Denise Madueño, do Estadão,

01 de agosto de 2007 | 21h28

Líderes de oposição reagiram à tese da Executiva do PT de que há uma articulação da imprensa e da oposição contra o governo e contra o partido. A avaliação da Executiva do PT foi transformada em orientação aos diretórios com a conclamação para que os petistas defendam o governo.   Para a Executiva do PT, "a oposição, articulada com setores da mídia, está subindo o tom nos ataques ao governo e ao PT, tendo em vista as eleições de 2008 quanto as eleições de 2010". A reclamação do PT, que faz eco à feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, diz respeito às vaias recebidas. "A desfaçatez é tão grande que eles acabam acreditando nas mentiras que pregam por aí de forma contumaz", disse o líder do PSDB, deputado Antonio Carlos Pannunzio (SP).   O tucano avaliou que "só um governo autoritário" pode pensar que só vai receber aplausos. "Ainda bem que no Brasil vivemos sob a égide do Estado de direito e que segmentos da sociedade podem e têm se expressado de maneira espontânea. O totalitário não aceita isso", completou.   "O PT, que já tinha perdido o seu programa e o eixo ético, agora perdeu totalmente a capacidade de análise de conjuntura", afirmou o líder do PSOL na Câmara, Chico Alencar (RJ). "Considerar que não há crise na Segurança Pública, que não há crise gerada por mazelas sociais estruturais rurais e urbanas, que o problema do desemprego não existe, que a corrupção sistêmica está controlada e, por fim, considerar que nos céus do Brasil não há crise, é estar fora da realidade", continuou. "A grande crise é de perplexidade com o próprio PT", disse o líder.   O documento do PT foi aprovado na reunião da Executiva na terça-feira passada. Para a direção petista, "a grande mídia privada é, ao mesmo tempo, instrumento e Estado maior dessa campanha".

Tudo o que sabemos sobre:
Vaias a Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.