Oposição quer voto aberto do relatório sobre Renan

Líderes avaliam que sessão secreta no Conselho de Ética do Senado poderia ajudar a absolver senador

Marcelo de Moraes, Christiane Samarco e Ana Paula Scinocca, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2028 | 00h00

Os partidos de oposição vão pressionar o Conselho de Ética para que o voto no colegiado seja aberto na sessão que analisará a situação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O líder do DEM, senador José Agripino Maia (RN), e o senador Sérgio Guerra (PE), que deve assumir a presidência nacional do PSDB no fim do ano, defenderam ontem a abertura dos votos.Ambos avaliam que a sessão secreta poderia funcionar como uma estratégia favorável à absolvição de Renan, acusado de ter contas pessoais - como a pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha fora do casamento - pagas por um lobista da empreiteira Mendes Júnior. Renan também responde a outros dois processos no conselho: o de supostamente ter beneficiado a cervejaria Schincariol junto ao INSS e à Receita e a de ter usado laranjas na compra de duas rádios e um jornal em Alagoas.Justamente no DEM está hoje a maior concentração de votos indefinidos do conselho que podem pender a favor de Renan: os senadores Heráclito Fortes (PI), Romeu Tuma (SP) e Adelmir Santana (DF). Os outros dois indefinidos do conselho são do PT: Eduardo Suplicy (SP) e Augusto Botelho (RR).''''Até ontem não se falava em sessão com voto secreto. Tudo isso é muito suspeito'''', criticou Guerra. ''''Esse é um caso rumoroso. Toda a opinião pública está observando. Impõe-se o voto aberto'''', acrescentou Agripino.Os senadores Renato Casagrande (PSB-ES) e Marisa Serrano (PSDB-MS), dois dos três relatores do caso Renan, também defendem o sistema de voto aberto. O terceiro relator, Almeida Lima (PMDB-SE), defende a absolvição de Renan, mas não declarou sua posição sobre o sistema de votação .''''Há precedente no Senado de voto aberto e fechado. Portanto, não existe impedimento para que essa votação seja aberta'''', afirmou Casagrande. ''''A votação do caso de Luiz Estevão (DF) foi fechada. E a dos senadores Ney Suassuna (PMDB-PB), Magno Malta (PR-ES)e Serys Slhessarenko (PT-MT), por conta do escândalo da máfia dos sanguessugas, foi aberta'''', ilustrou Casagrande. Estevão foi cassado.Marisa tem defendido votação aberta, assim como Suplicy, que ainda não decidiu seu voto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.