Oposição quer 'queimar a mãe do PAC', diz líder do PT

Líder do PT na Câmara, Maurício Rands, defende que a ministra não vá ao Congresso em hipótese nenhuma

Reuters,

31 de março de 2008 | 18h22

O governo não está disposto a permitir que a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, compareça à CPI dos cartões corporativos, e o líder do PT na Câmara, Maurício Rands, disse que o desejo da oposição é "queimar a mãe do PAC." "Nós vamos para a briga. Eu defendo que a ministra Dilma não venha ao Congresso em hipótese nenhuma. A oposição não quer explicações, quer queimar a mãe do PAC", disse Rands a jornalistas nesta segunda-feira.   Veja também:   CPI terá dados que complicam ministros de Lula e FHC Documento do TCU não sustenta versão sobre 'banco de dados' Planalto vai tirar Dilma da 'vitrine eleitoral' para 2010 Dossiê contra FHC foi decisão de governo 'Candidatura de Dilma em 2010 está morta', diz analista  Os ministros caídos  Entenda a crise dos cartões corporativos  IMAGENS: Os momentos de 'amor e ódio' de FHC e Lula   A oposição tenta levar a ministra à CPI para dar explicações sobre o suposto dossiê com gastos sigilosos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de dona Ruth, que teriam sido elaborados pela Casa Civil. Sem maioria para convocá-la, a oposição pretende convidá-la a comparecer a uma comissão regular, mas sem caráter convocatório. A oposição vai entrar ainda com ações judiciais contra o governo, em duas frentes: no Tribunal Superior Eleitoral contra o que considera caráter eleitoreiro do Programa de Aceleração do Crescimento e no Ministério Público Federal alegando que o levantamento de dados dos cartões corporativos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso configura crime de ameaça. "Estamos convictos de que vamos ganhar na Justiça. Isso não pode continuar", disse a jornalistas o líder do DEM no Senado, José Agripino (RN).

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaMãe do PAC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.