Oposição quer 'mais do nunca' ida de Duque à CPMI

Poucas horas depois de a Polícia Federal ter prendido o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, a oposição acusou o governo de ter blindado o dirigente nesta semana e argumentou que agora "mais do que nunca" a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura irregularidades na estatal precisa convocá-lo.

RICARDO DELLA COLETTA E RICARDO BRITO, Estadão Conteúdo

14 de novembro de 2014 | 14h04

De acordo com as investigações, Duque seria o operador do PT na Petrobras e a diretoria sob seu comando entre 2003 e 2012 repassaria parte dos contratos para o partido.

"A bancada do governo esvaziou a CPI para impedir a convocação do Duque. Agora mais do que nunca a CPI precisa chamá-lo", defendeu o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE). "Ele foi preso e isso demonstra que estávamos no caminho certo", corroborou o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que é membro da comissão.

Nesta terça-feira, 11, o presidente da CPI mista da Petrobras, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), encerrou a reunião do colegiado sem colocar em votação os requerimentos para convocar Duque e o presidente licenciado da Transpetro, Sérgio Machado. A manobra gerou protestos dos oposicionistas e parlamentares da base ouvidos pelo Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, reconheceram que, sem a ação de Vital, os requerimentos teriam sido aprovados.

Mesmo defendendo a convocação, os deputados da oposição dizem que uma oitiva de Duque agora pode produzir poucos resultados. "Isso dificulta um pouco o andamento da CPMI, porque ele também pode entrar na delação premiada e acaba impedido de falar o que poderia falar", argumenta o deputado Izalci (PSDB-DF), também integrante do colegiado. "Pode ser que ele não fale."

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, delator de um esquema de pagamento de propinas montado na petroleira a partidos políticos aliados do Palácio do Planalto, chegou à comparecer à CPMI, mas se manteve em silêncio para não comprometer o acordo acertado com a Justiça Federal.

Além disso, um requerimento a Duque pode esbarrar também no pouco tempo de trabalho que resta para a CPMI, que se encerra dia 23 de novembro - com possibilidade de prorrogação de um mês. A oposição já articula o recolhimento de assinaturas para instalar uma nova comissão na próxima legislatura.

"Não vamos deixar de convocar. Isso serve para a gente preparar a CPI da próxima legislatura", diz Delgado. "Queremos aprovar tudo, mesmo que não dê tempo de apurar. Vamos ouvir todo mundo e o que não der tempo será usado na próxima CPI que será instalada", acrescenta Izalci.

Tudo o que sabemos sobre:
lava jatooposiçãoCPMIRenato Duque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.