Oposição quer informações sobre empréstimo do PT

O líder da oposição na Câmara dos Deputados, Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), pediu nesta terça esclarecimentos sobre a quitação de um empréstimo tomado pelo Partido dos Trabalhadores junto ao Banco Rural. O jornal O Estado de S. Paulo revelou que a defesa do ex-presidente do PT José Genoino, um dos réus do mensalão, informou ao relator do processo no Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que o partido pagou integralmente uma dívida que tinha com a instituição financeira.

RICARDO BRITO, Agência Estado

20 de março de 2012 | 20h15

O Rural é um dos bancos acusados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de ter se envolvido no esquema de desvio de recursos públicos para supostamente comprar apoio político no Congresso durante o governo Lula. A PGR sustenta que esses empréstimos foram forjados. "O que significa essa quitação de empréstimos a essa altura dos acontecimentos? Ou melhor, o que pretende o PT com a inserção dessa informação no Supremo?", questionou Mendes Thame, em discurso realizado no plenário da Câmara.

Para o líder da oposição, essas perguntas precisam ser respondidas de forma "institucional e legal". Mendes Thame disse que, às vésperas do julgamento do mensalão, "uma suposta prova deve ser, obrigatória e exaustivamente, analisada em sua autenticidade".

A quitação do empréstimo, de R$ 8,3 milhões, reforçaria a tese das defesas de Genoino, do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e de ex-dirigentes do Rural de que a transação foi legal. Assim, todos escapariam das acusações de irregularidades na negociação. O banco havia entrado com uma ação de execução na Justiça mineira em outubro de 2005.

O líder oposicionista disse que é "absolutamente indispensável" que a quitação do empréstimo seja "cabalmente" esclarecida para que o processo do mensalão não seja prejudicado.

Tudo o que sabemos sobre:
Câmaraoposiçãoliderança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.