Oposição quer documentos de ACM contra FHC

Embora só pretenda retornar ao País na próxima semana, o ex-presidente do Senado Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) continuará no centro da agitação no Congresso após a Quarta-feira de Cinzas. Os oposicionistas vão apresentar dois requerimentos à Mesa na quinta-feira, um dos quais pede que ACM encaminhe à Comissão de Fiscalização e Controle do Senado os documentos que disse ter em seu poder, que comprovariam as denúncias contra aliados do presidente Fernando Henrique Cardoso. O outro pedido, segundo o líder do bloco da oposição, senador José Eduardo Dutra (PT-SE), é para que o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar se pronuncie sobre três questões: a suspeita de que ACM teria violado o painel eletrônico de votação do Senado; ao fato dele ter dito aos procuradores que obstruiu os trabalhos de investigação que ligariam o ex-secretário-geral da Presidência da República Eduardo Jorge à fraude nas obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, e ao fato de o senador ter dito que a senadora Heloisa Helena (PT-AL) votou contra a cassação do mandato do senador Luiz Estevão, em junho do ano passado.O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), informou que dará encaminhamento imediato aos requerimentos. "Tenho urgência em resolver de uma vez por todas essas questões", afirmou. Heloisa Helena disse que considera essencial a obtenção da fita com a gravação da conversa de ACM com os procuradores. Ela disse temer que, sem essa prova, o Conselho de Ética tenha sua atuação limitada ao que afirmam os procuradores e o próprio ACM, que nega tê-la incluído na conversa. "Se houver a fita, peço que pensem no interesse público e a disponibilize", pediu.A senadora informou que também vai entrar na Justiça pedindo uma indenização pelos "danos morais" provocado pelas afirmações atribuídas a ACM. Ela esclareceu que não quer o dinheiro do senador mas, sim, que ele seja condenado a executar um trabalho voluntário, "de preferência no Carandiru", provocou.A senadora também vai continuar coletando assinaturas para criar a CPI que se encarregaria de investigar as denúncias feitas pelo ex-presidente do Senado contra o governo. No senado, a coleta rendeu até agora 19 assinaturas, 9 a menos do que o necessário. A oposição obteve a assinatura de 118 deputados, faltando ainda o apoio de 53 deputados para criar a comissão. Apesar de ainda não ter solucionado a crise provocada na eleição dos novos presidentes da Câmara e do Senado, a base aliada do governo não deve apoiar a iniciativa. Para o ex-presidente da Câmara deputado Michel Temer (PMDB-SP), a CPI "só serviria de palanque para a oposição".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.