Oposição protocola pedido de CPI mista dos cartões

Depois de um dia tumultuado, a oposição conseguiu protocolar hoje à noite o pedido de abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista para investigar o uso de cartões corporativos por ministros, assessores e funcionários do governo. Um primeiro pedido havia sido devolvido, horas antes, por um erro técnico. Ao saber do revés, o líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), passou o dia recolhendo novamente as assinaturas e apresentou o novo pedido, com o apoio de 28 senadores e 189 deputados. A polêmica, porém, não acabou - se a oposição não conseguir um dos cargos de comando, vai minar a CPI mista e abrirá uma exclusiva no Senado.?Em último caso, se for necessário, teremos duas CPIs: uma mista e outra do Senado?, defendeu o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), autor do requerimento para abertura de CPI conjunta da Câmara e do Senado. ?Se nos negarem um dos cargos de comando da CPI mista, vamos obstaculizar os trabalhos Casa?, reiterou Virgílio. A preocupação da oposição se deve à resistência tanto do Palácio do Planalto como dos partidos da base em entregar a relatoria ou presidência dos trabalhos a um integrante do PSDB ou DEM.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.