Oposição protocola novo pedido de CPI dos Cartões

Na tentativa de pressionar o governo e ficar com a presidência da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Mista, que vai investigar o uso dos cartões corporativos, os líderes de partidos de oposição no Senado protocolaram hoje um novo pedido de criação de CPI, só com senadores, sobre o mesmo assunto. Dessa forma, os oposicionistas esperam que o governo ceda e concorde em lhes dar o comando da CPI Mista. Amanhã, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), reúne-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar da reivindicação da oposição. "Vou relatar os fatos ao presidente Lula e defender o meu ponto de vista que é favorável a que a oposição fique com um dos cargos de comando", disse Jucá. "Se o presidente concordar, o Palácio vai ter de agir junto ao PMDB para que ele abra mão de presidir a CPI." O PMDB já indicou o senador Neuto de Conto (SC) para presidência da CPI Mista. "Demos um instrumento para o líder Jucá ir ao presidente Lula e conversar com ele. Assim se o governo não concordar em dar o lugar para a oposição na CPI Mista, nós faremos a CPI só do Senado, onde vamos indicar o presidente", afirmou o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN). A oposição tinha guardado, desde a semana passada, o requerimento para a criação de uma CPI formada exclusivamente por senadores. Na sexta-feira, o pedido de abertura de comissão de inquérito contava com sete assinaturas. Hoje, quando foi protocolado no final da tarde, já tinha 33. O requerimento prevê que as investigações sobre o uso de cartões corporativos comecem em 2001, ano em que o cartão foi regulamentado. A CPI terá prazo de funcionamento de 180 dias e contará com 11 senadores titulares e seis suplentes. O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), deverá ler o requerimento da CPI restrita ao Senado amanhã à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.