Oposição propõe moção de apoio ao juiz Sérgio Moro

Magistrado passou a ser alvo de crítica do PT depois que foram tornadas públicas declarações do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef

RICARDO BRITO, Estadão Conteúdo

14 de outubro de 2014 | 17h17

Lideranças de partidos de oposição na Câmara dos Deputados decidiram nesta terça-feira, 14, apresentar uma moção de apoio ao juiz federal Sérgio Moro, que comanda as investigações da operação Lava Jato. O juiz passou a ser alvo de crítica do PT depois que, na semana passada, foram tornadas públicas declarações do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef em que denunciaram esquema de corrupção na estatal para supostamente beneficiar partidos da base aliada. Nesta segunda-feira, 13, juízes federais e procuradores da República também divulgaram manifestações de apoio a Moro.

Na Câmara, os líderes do Democratas, Mendonça Filho (PE); do PSDB, Antonio Imbassahy (BA), do Solidariedade, Fernando Franceschini (PR); e do PPS, Rubens Bueno (PR), foram os responsáveis pela proposta da moção de apoio a Moro que está sendo articulada nesta terça. Regimentalmente, a ideia é uma "proposição de legislativa" e, sob tal condição, tem de ir à votação no plenário para ter validade. Caso seja aprovada, a sugestão se transformará em apoio de todos os deputados federais a Sérgio Moro. Juntos, DEM, PPS, Solidariedade e PSDB têm 100 deputados na Câmara, que é formada por 513 parlamentares.

"A moção será assinada pelos quatro partidos de oposição, mas quem quiser assinar será bem-vindo", afirmou o líder do DEM na Câmara.

Depois, oposicionistas se reuniram no gabinete do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), presidente da CPI mista da Petrobrás, para definir se realizam uma reunião para votar requerimentos de quebras de sigilos e convocações de mais pessoas para serem ouvidas pela comissão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.