Oposição promete reagir a arquivamento

Engavetamento já era esperada no conselho, de maioria governista

Eugênia Lopes e Christiane Samarco, O Estadao de S.Paulo

06 de agosto de 2009 | 00h00

O PMDB acionou o rolo compressor no Conselho de Ética do Senado e arquivou, de uma só vez, três denúncias e uma representação contra o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), além de outra representação contra o líder peemedebista Renan Calheiros (AL), por também ter assinado atos secretos durante o período em que comandou o Congresso. Depois de suspender a sessão para que todos pudessem assistir ao discurso de Sarney no plenário, o presidente do conselho, senador Paulo Duque (PMDB-RJ), cumpriu o script acertado com a cúpula do PMDB e apresentou seus "fundamentos jurídicos" para justificar o parecer contrário à admissibilidade das ações.Com isso, o PMDB foi bem-sucedido em sua estratégia de esvaziar o plenário depois da fala de Sarney, transferindo o debate para o Conselho de Ética. Mas a própria cúpula peemedebista reconhece que a batalha está apenas começando e avalia que os ataques a Sarney e ao partido no plenário não vão cessar. Afinal, são 11 as ações contra Sarney. Até sexta-feira, Duque promete apresentar seu parecer sobre outras quatro representações e denúncias feitas pelo PSOL e pelo PSDB. Aconselhado a cumprir à risca os prazos regimentais, Duque já aguarda o recurso da oposição ao plenário do conselho, que deverá ser apresentado ainda hoje.A oposição já esperava pelo engavetamento das ações e não se dá por vencida. "Vamos reagir e reagir bem", disse o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE). A ameaça de reação não preocupa os governistas, que contam com maioria folgada no plenário do conselho - têm 10 dos 15 votos dos conselheiros.Mas não foi esse cenário confortável que levou a cúpula peemedebista a esvaziar o plenário e levar a discussão das representações ao conselho.O que motivou o PMDB foi a oportunidade de deixar que a TV Senado transmitisse ao vivo apenas o discurso de Sarney, feito no plenário em sua própria defesa. Evitou não só que a fala positiva do presidente fosse editada, como pôs em segundo plano o debate negativo das representações, confinando no conselho os protestos dos adversários que insistiram no afastamento de Sarney.Enquanto isso, o PSDB que abrira guerra contra Sarney na semana passada, apresentando três representações contra ele, amargava a dúvida sobre o tamanho do troco do PMDB, também em forma de representação contra o líder tucano Arthur Virgílio (AM). Até as 19 horas de ontem, a presidente em exercício do PMDB, deputada Iris Araújo (GO), jurava haver entregue ao conselho, desde a véspera, a representação com cinco denúncias contra Virgílio. A secretaria do conselho, no entanto, negava o recebimento oficial de qualquer documento do PMDB, enquanto o líder peemedebista no Senado, Renan Calheiros (AL), sustentava que a reação do partido era certa, tal como ele próprio comunicara aos tucanos.Para justificar o arquivamento das denúncias e representações, Paulo Duque usou o mesmo argumento: alegou que as ações não poderiam ser aceitas porque se baseavam apenas "em uma mera coletânea de recortes ou citações de jornais", sem outros elementos que comprovassem as denúncias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.