Oposição pressiona ACM a trabalhar por CPI

O líder do PT na Câmara, Walter Pinheiro (BA), entregou ao senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) a lista dos 15 deputados do PFL da Bahia que ainda não assinaram o requerimento de criação da CPI destinada a apurar denúncias de corrupção, e pediu a ajuda do senador para aumentar o número de adesões. O requerimento tem 144 assinaturas na Câmara, mas para tornar viável a CPI é preciso reunir o apoio de 171 deputados. O senador, no entanto, não se comprometeu com o PT. "Vai continuar o pinga-pinga ", disse, demonstrando que os "carlistas" não assumirão uma posição em bloco. E, numa referência à decisão do PT de não apoiar o PFL nem na Câmara nem no Senado, por ocasião da eleição das Mesas, brincou: "O que eu sofri com eles aqui...". "Mas o senhor poderia fazer um ato com os 15 deputados e assinar o requerimento", sugeriu Pinheiro. "E sair como patrono da CPI", completou o senador Sebastião Rocha (PDT-AP), ao lado do senador José Eduardo Dutra (PT-SE), líder do bloco de oposição.Walter Pinheiro ainda insistiu: "Está na hora de os carlistas botarem no papel suas assinaturas. E, se não assinarem vamos dizer na Bahia que ACM não quer a CPI ou não comanda a tropa". O senador e cinco deputados "carlistas" já assinaram o requerimento. "Podem dizer que eu não comando a tropa", devolveu o senador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.