Oposição pode pedir criação da CPI do ´Silvinho´, diz Agripino

Os presidentes dos partidos de oposição vão-se reunir no Congresso nesta terça-feira, às 15 horas, para traçar uma estratégia comum e definir medidas a serem adotadas em relação às denúncias do ex-secretário-geral do PT Sílvio Pereira, o "Silvinho", de que o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, operador do mensalão, planejava faturar R$ 1 bilhão durante o governo Lula. O líder do PFL no Senado, senador José Agripino (RN), afirmou que a oposição poderá pedir a criação de uma nova CPI - seria a CPI do "Silvinho" - caso o Supremo Tribunal Federal (STF) dificulte as investigações do caso pela CPI dos Bingos, no Senado. Segundo Agripino, está convidado para a reunião também o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP). A oposição, segundo Agripino, acha que o governo vai tentar evitar o depoimento de Sílvio Pereira - convocado para comparecer à CPI dos Bingos depois na próxima quarta-feira - argumentando que o assunto foge ao foco dessa comissão. "Vamos ouvir o Sílvio Pereira. Se for o caso, fazer o confronto entre ele e Marcos Valério e, a partir daí, tomarmos uma iniciativa, que pode ser até o pedido de impeachment (do presidente da República)", afirmou Agripino. Segundo ele, o governo teria tomado uma atitude "escapista" ao desqualificar as declarações de Sílvio Pereira, mas o ex-secretário do PT, "na sua brejeirice, apontou claramente que cumpria ordens e que o comando era de Lula, Genoino, Dirceu e Mercadante", disse Agripino. E indagou: "Vai ficar tudo por isso mesmo? Todos com cara de paisagem?"Novas denúnciasTarso Genro disse que Sílvio Pereira é uma pessoa "espiritualmente atormentada". Ao comentar a entrevista em que o ex-dirigente petista afirmou que o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza planejava arrecadar R$ 1 bilhão durante o governo Lula, Genro avaliou que Silvinho fez uma "grande catarse pública"."Conheço muito pouco o Sílvio, mas sei que atualmente ele é uma pessoa muito atormentada, espiritualmente muito atormentada, por ter recebido aquele presente, em circunstância indevida e ilegal", afirmou o ministro, em uma referência ao jipe Land Rover que o ex-dirigente do PT ganhou de presente da empresa baiana GDK, que presta serviços à estatal Petrobras.Tarso Genro disse que o Palácio do Planalto considera a declaração de Sílvio Pereira, "naquilo que lhe toca", um assunto encerrado. "Como disse o presidente, o ´Silvinho´ pode dizer o que quiser."O ministro rebateu crítica do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que observou o comportamento dos petistas de ainda considerar como "companheiros" pessoas acusadas de corrupção. Tarso disse que o atual governo incentiva ações da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União de combate às irregularidades. "Por que será que o Fernando Henrique não fez isso no governo dele?", questionou Tarso.Segundo o ministro, a presença de Sílvio Pereira na CPI dos Bingos, prevista para quarta-feira, é uma questão pessoal ou do PT, e não do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.