Oposição pedirá ao MP que investigue caso dos grampos no STF

Representação será encaminhada nesta tarde; objetivo é tirar exclusividade do governo nas investigações

CHRISTIANE SAMARCO, Agencia Estado

05 de setembro de 2008 | 13h40

A oposição vai pedir ao Ministério Público que investigue o caso do grampo ilegal nos telefones do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes. Representação será encaminhada na tarde desta sexta-feira, 5,  ao MP por iniciativa conjunta dos três partidos que fazem oposição ao governo: PSDB, PPS e DEM. O objetivo da ofensiva junto ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, é tirar a exclusividade do governo nas investigações que estão sendo conduzidas pela Polícia Federal (PF), uma vez que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) é suspeita de participar da espionagem. "Governo investigando governo não dá", justifica o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ).   Veja Também: Entenda as acusações de envolvimento da Abin com grampos  Tarso envia a Lula projeto que aumenta punição a grampo ilegal PF descarta ação institucional da Abin, afirma Demóstenes CPI dos Grampos convoca Jobim e diretores da Abin e PF Veja como foi o depoimento do diretor à CPI  Diretor afastado admite que 'maleta' da Abin pode fazer grampo Especial explica a Operação Satiagraha  Multimídia: As prisões de Daniel Dantas  Lula manda investigar compra de 'maleta de grampo' na Abin Crise acirra disputa entre Polícia Federal e Abin Na mesma linha, o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), observa que a oposição não está contra a PF. "Apenas queremos uma investigação transparente e mais segura". Os três partidos também darão entrada em uma segunda representação no MP para saber que razões levaram a Polícia Federal a poupar o secretário de Assuntos Institucionais do PT, Romênio Pereira, da escuta telefônica autorizada pelo Supremo Tribunal Federal.   Romênio Pereira é acusado de fraudes em obras públicas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), detectadas pela Operação João-de-Barro. A PF alegou dificuldades técnicas para não grampear telefones do petista.

Tudo o que sabemos sobre:
gramposoposiçãoMP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.