Oposição opta por esticar desgaste político de Palocci

Sem número suficiente de votos para aprovar a convocação do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, a oposição adotou a estratégia de esticar o desgaste político dele. Por atuação dos deputados do DEM, do PSDB e do PPS, os requerimentos de convocação apresentados por esses partidos, previstos para serem votados na manhã de hoje nas comissões de Fiscalização e Controle e de Agricultura, foram adiados. A oposição quer que o ministro explique o aumento de seu patrimônio e as atividades da Projeto, empresa de sua propriedade.

DENISE MADUEÑO, Agência Estado

25 de maio de 2011 | 13h32

Na comissão de Fiscalização, os discursos se prolongaram até o início das votações no plenário da Câmara, a chamada ordem do dia, quando as comissões precisam encerrar seus trabalhos. O governo levou sua tropa de choque para impedir a aprovação dos requerimentos. Ao contrário do verificado na semana passada, quando impediu a votação dos requerimentos, o governo, dessa vez, tinha pressa para votar e derrubar os pedidos de convocação.

"A ausência do ministro para prestar esclarecimentos só faz crescer a suspeita de que a consultoria virou uma lavanderia. Resta saber se é uma lavanderia para tráfico de influência ou lavanderia para cobrir gastos de campanha de Dilma Rousseff", afirmou o líder do DEM, Antonio Carlos Magalhães Neto (BA). A comissão de Fiscalização e Controle fará nova reunião nesta tarde, quando os requerimentos de convocação de Palocci estarão novamente na pauta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.