Oposição no Congresso se une por CPI sobre Palocci

A proposta de uma CPI mista de deputados e senadores para investigar o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, uniu a oposição na Câmara e no Senado. Além do PSDB, DEM, PPS e PSOL participam da articulação e vão procurar agora coletar assinaturas entre parlamentares governistas.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

20 de maio de 2011 | 15h13

A ementa do requerimento de CPI que está sendo preparado pelo PSDB cita o "extraordinário crescimento patrimonial da empresa Projeto", de propriedade de Palocci, pede a investigação se houve "a percepção de vantagens indevidas" ou o "patrocínio de interesses privados perante a órgãos do governo federal" e avança até sobre a possível "relação desses fatos com a campanha presidencial de 2010". Palocci foi um dos coordenadores da campanha de Dilma Rousseff à Presidência.

Para conseguir instalar a CPI é necessário o apoio de 171 deputados e 27 senadores. Os quatro partidos que aderiram à ideia, porém, têm menos de 100 deputados e somente 18 senadores. Por isso, o discurso já está ensaiado para conseguir apoios de alguns governistas.

"Vamos mostrar para eles que é ruim para o governo, para o Congresso e para toda a sociedade se este caso não for esclarecido. Daqui a pouco a crise se agrava de um jeito que pode paralisar o governo. Vamos mostrar é que nós queremos que essa crise tenha um fim e que isso só acontecerá se esclarecendo os fatos", diz o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR).

O líder do PSOL na Câmara, Chico Alencar (RJ), diz apoiar a iniciativa da CPI e defende que a comissão discuta também o papel desse tipo de consultoria em si. Alencar destacou que seu partido defende uma mudança na Constituição para proibir que parlamentares prestem esse tipo de serviço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.