Oposição negocia com Planalto

A provocação do presidente Fernando Henrique Cardoso surtiu efeito. Não é por acaso que o PT incluiu em seu programa político um apelo para que a população economize energia, embora não tenha responsabilidade pelo risco de apagão. Citada pelo chefe de governo como alternativa concreta de poder que não ameaça a conquista da estabilidade, a oposição assumiu uma atitude ofensiva e pragmática, de quem quer vencer a corrida presidencial. Além de exibir suas convergências com o Palácio do Planalto e investir no debate do programa para 2002, os partidos de esquerda também se permitiram fazer acordos com os governistas, que tiraram da gaveta projetos emperrados no Congresso há mais de uma década.Leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.